As Mães - 12/05/06

Imprimir

Deus permite que tenhamos mães, neste mundo, para que com elas possamos aprender a amar, verdadeiramente, os nossos irmãos na humanidade.

São elas os anjos generosos, que nos guardam no sacrário do próprio corpo e nos alimentam com a sua seiva de vida e nos agasalham e nos guardam dos perigos do mundo.

São elas que nos ensinam a amar a Deus como Pai de Justiça e que incutem em nosso espírito que precisamos ser bons.

Com elas aprendemos a generosidade dos gestos e o perdão das ofensas.

Com elas aprendemos o exercício da misericórdia que não se extingue, da paciência infinita que não se esgota e da compreensão benfazeja, que reergue os corações abatidos.

Para nós, seus filhos, têm elas, sempre uma palavra de alento, um olhar de alerta, um sorriso de bondade.

Com elas aprendemos a esperar sem cansaço e a acreditar no valor que os outros possuem.

Com elas aprendemos que sempre haverá esperança de dias melhores, se cumprirmos com nossos deveres e obrigações.

Com elas aprendemos a renúncia do nosso tempo dos prazeres do mundo e das comodidades.

Com elas aprendemos a estender a mão amiga, erguendo e abençoando, distribuindo esperanças.

Com elas aprendemos a encontrar Deus numa flor, numa ave que voa, num regato que canta, numa nuvem que passa.

Com elas aprendemos o respeito e a dignidade, a lealdade e o cumprimento dos nossos deveres com responsabilidade.

Por isso, afirmamos que nossas mães são os anjos que Deus colocou em nossas vidas e por elas é que seremos um dia chamados homens de bem.

Deus abençoe as nossas mães!

Se ainda estiverem conosco neste mundo, ofertemo-lhes, com todo amor, as flores da nossa gratidão. E se já tiverem partido deste mundo, que continuem presentes na nossa saudade e vivas na nossa lembrança, envolvidas pelo nosso mais profundo amor.

Batuíra
Mensagem psicografada, recebida em 12/05/06,
na Fraternidade Espírita Cristã Batuíra

Newsletter







Destaques Batuíra