Reencontra-te 16/04/2011

Imprimir

De quando em quando, olho para ti e vejo mulher em flor, na exuberância de seu colorido, de seu esplendor, desejando fenecer, cerrar os olhos para a vida, murchar. . . dormir e não mais acordar.

Estou certa?

É que a prova se faz dolorosa, eu sei, e as forças parecem abandonar-te, e nos momentos mais difíceis, vacila a fé, destrói-se a crença e teus olhos só enxergam, à frente, o vazio que fica em tua alma.

Mas, já reparaste que a noite, apesar de longa e escura, é vencida pelos embates da luz, quando o Sol desponta no horizonte e o céu pinta-se de dourado e rosa, anunciando novo dia a nascer?

Espera, ora e confia, pois a noite escura, em que te encontras, vai ceder as suas trevas à luz do entendimento, que te espera ansiosa pelos primeiros passos, a caminho de ti mesma.

E quando te reencontrares, verás o quão feliz tu és: tens beleza, inteligência e bondade, atributos ideais que todos desejam possuir.

Então perceberás o tesouro que tens na alma.

Haverás de seguir cheia de alegria, por entre flores, sentindo a brisa suave que te convida a um novo amanhecer, recompondo a tua vida, tendo Jesus como Mestre e Deus como Pai.

Newsletter







Destaques Batuíra