O Tesouro - 30/10/2014

Imprimir

Mensagem Psicografada - Meimei


No pobre casebre, sobre uma velha mesa, ficava pequeno caixote de madeira tão velho como a mulher que ali vivia.

Sua miséria era tão grande, quanto a fome e o frio, que ela sentia dentro da sua solidão.

Vez por outra, saía à cidadezinha mais próxima e mendigava sentada ao lado de generosa fonte, por onde passavam os habitantes da pequena aldeia.

- Uma esmola, por amor de Deus! Era a sua cantilena.

Alguns a olhavam com desprezo, outros lhe atiravam migalhas de pão, alguns, um fruto seco. Outros, vendo os seus andrajos, lhe arrumavam alguns pedaços de pano, que lhe cobrissem os farrapos.

Um dia, a velhinha ganhou, como esmola, uma pequena moeda. Feliz, nem pensou em usá-la para suprir as suas necessidades. Levou-a para casa e guardou-a enrolada em um trapo velho, dentro da caixinha sobre a mesa. Aquele era o seu tesouro.

Algum tempo se passou. Um dia alguém bateu à sua porta. Alguém mais pobre ainda do que ela e tão miserável, que lhe tocou as fibras do sentimento.

Não tinha pão, não tinha frutos, não tinha sopa, não tinha roupas para doar. Mas aqueles olhos súplices pediam-lhe algo.

Ela então pensou no seu tesouro. E correndo à mesa, tomou a caixinha e pegou a moeda, que estendeu ao pobre mais pobre do que ela, dizendo num abraço:

- Deus te abençoe, meu rapaz!

No mesmo instante, o pequeno aposento vestiu-se de luz e uma imensa alegria tomou conta da velha. E ela escutou:

- Deste do que possuías de mais valioso. Deus te abençoe também!

Newsletter







Destaques Batuíra