ERRO MÉDICO NA VISÃO DO ESPIRITISMO

Imprimir

Estava Jesus fazendo sua visita diária no Hospital Celeste, quando São Pedro veio esbaforido  ao seu encontro.

Ainda bem que o Mestre chegou. Recebemos nesse momento um doente muito grave, com um tumor imenso no cérebro, está no leito 07 e apenas Deus e o Sr. têm condições de operá-lo.

O Sr. pode ajudar?

Jesus não pensou duas vezes e se dirigiu ao local. Poucos minutos depois voltou e disse a São Pedro:

“Você falou que ninguém mais poderia resolver o problema daquele paciente, mas já há um médico fazendo a operação”.

São Pedro então respondeu:

“Ah, Jesus, pode voltar até lá e fazer seu trabalho. Aquele é só um médico neurocirurgião que pensa que é Deus”.

SÃO OS MÉDICOS DEUSES?

Muitos médicos se acham deuses, principalmente no início da profissão. O poder, se assim podemos chamar, que lhes é conferido, alimenta sua vaidade.

Se tomarmos por certa essa premissa podemos afirmar que, no plano espiritual, em todas as profissões são cometidos erros, menos na medicina, já que Deus não erra.

ERRO MÉDICO NO PLANO MATERIAL

Mas no plano material, nós encarnados, não pensamos da mesma forma, por isso as nossas leis têm por entendimento que o erro médico ocorre, e quando acontece por dolo (com intenção) ou por culpa (sem intenção) do profissional da saúde, ele responderá civil, penal ou administrativamente, para assim poder, através de uma punição terrena, se redimir perante a sociedade.

ERRO (HOUAISS)

DESVIO DO CAMINHO CONSIDERADO CORRETO, BOM, APROPRIADO, DESREGRAMENTO (DOLO).

JUÍZO OU JULGAMENTO EM DESACORDO COM A REALIDADE OBSERVADA, ENGANO, QUALIDADE DAQUILO QUE É INEXATO, INCORRETO (CULPA)

Entende-se por erro o ato:

1 - Cometido com consciência, desviando o agente do caminho que sabe ser correto, bom ou apropriado para o caso ou que ofende regra estabelecida pela sociedade e por ele conhecida. Nesse caso aquele que comete o erro, tem intenção de fazê-lo, pois tem consciência de que o ato é incorreto, indevido. Age com dolo.

2 - Involuntário por um erro de juízo ou julgamento ou por não observar de forma correta regra que deveria cumprir. Age com culpa, não queria praticar o ato, mas age com imprudência, negligência, imperícia e tem como resultado aquilo que não pretendia atingir.

MEDICINA - PROFISSÃO ABENÇOADA

A profissão médica é uma das mais abençoadas profissões do nosso planeta. Acredito que quando o médico assume sua missão, não se desembaraça dela sozinho. Vários espíritos, também médicos se comprometem junto com ele a ajudar no alívio do sofrimento humano.

O que Deus e a Sociedade esperam do médico está bem definido no Código de Ética Médica Brasileiro.

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA – CAPÍTULO I – PRINCÍPIOS

VI – O MÉDICO GUARDARÁ ABSOLUTO RESPEITO PELO SER HUMANO E ATUARÁ SEMPRE EM SEU BENEFÍCIO. JAMAIS UTILIZARÁ SEUS CONHECIMENTOS PARA CAUSAR SOFRIMENTO FÍSICO OU MORAL, PARA O EXTERMÍNIO DO SER HUMANO OU PARA PERMITIR OU ACOBERTAR TENTATIVA CONTRA SUA DIGNIDADE E INTEGRIDADE.

Quando o médico se desvia dos princípios morais contidos nesse inciso do Código de Ética ele erra e esse desvio de conduta é previsto no direito pátrio e será punível, ainda em vida, administrativamente (CREMESP), penalmente (cadeia) e civilmente (indenização)

ERRO MÉDICO NO DIREITO BRASILEIRO

DOLO – (PROVOCAR OU AUXILIAR ABORTO, AJUDAR NO SUÍCIDIO, EUTANÁSIA)

CULPA – IMPRUDÊNCIA, NEGLIGÊNCIA, IMPERÍCIA

ERRO DIAGNÓSTICO – ESCUSÁVEL - NÃO ESCUSÁVEL OU GROSSEIRO

CASO FORTUÍTO

Agirá com negligência, se a conduta omissiva caracterizar-se pela inação, indolência, inércia, passividade (deixar compressas cirúrgicas dentro do abdome - não observar regra básica de contar as compressas ao final da cirurgia, ou qualquer outro instrumental, prescrever de forma ilegível, levando a erro no tratamento, deixar o clínico de encaminhar o doente para o cirurgião quando deveria saber que o quadro é cirúrgico - apendicite, deixar de radiografar um atropelado que sofreu trauma de crânio com fratura);

Na imperícia há a falta de observação de normas, a deficiência de conhecimentos, o despreparo prático (exemplo - usar técnica já abandonada pela ineficácia, causar lesão indevida durante ato cirúrgico - cortar bexiga durante a abertura da parede). Hoje é considerado imperito, em caso de dano, inclusive na visão do CFM o médico que atua sem a devida habilitação na especialidade - clínico que opera, plástico que não tem residência ou registro.

O entendimento quanto a busca do diagnóstico é mais amplo, no sentido de que nem sempre é possível ao médico identificar a doença em razão do momento da relação momento do atendimento/doença (sarampo – febre durante 10 dias antes do surgimento do exantema), pela falta de recursos laboratoriais necessários (durante muito tempo não tivemos o exame de ressonância magnética único apto ao diagnóstico das doenças do joelho), pelo desconhecimento da existência da doença ou inocorrência dela no local de atuação (ebola – outro país, varicela ou catapora para os médicos mais novos).

Nesses casos, o erro diagnóstico é escusável.

Caso o médico não encontre diagnóstico simples, facilmente identificável, esse erro será grosseiro, por despreparo do profissional e se trouxer consequências para o doente, responderá por imperícia (quadro infeccioso claro, exames que comprovam a doença e o médico não a diagnostica, quando até mesmo o leigo o faz - olhe doutor ele está morrendo!).

Há, por fim, o Caso Fortuito, também escusável no plano material, por serem, no caso da medicina, inevitáveis, embora muitos sejam previsíveis. Dizem respeito a própria doença sou sua evolução.

Há doenças que de tão graves e rápidas, não dão chance ao médico sequer de fazer o seu diagnóstico. Sãos as infecções severas causadas por germes extremamente agressivos, que não respondem aos antibióticos mais modernos, as anafilaxias (reações a medicamentos ou produtos) que por vezes não dão tempo a qualquer reação, mesmo que o doente esteja em ambiente hospitalar, e ainda, as reações idiossincrásicas (inesperadas) a determinados medicamentos ou procedimentos.

Como exemplos recentes temos a infecção causada pela bactéria conhecida com KPC, cepa mutante da bactéria Klebsiela pneumoniae, causando morte nos hospitais de Brasília e do Rio Grande do Sul.

Temos, ainda, as infecções causadas pelo vírus Ebola, que não tem medicamento ou vacina e assola alguns países da África.

As reações de hipotensão grave que atingem apenas jovens sob efeito de raquianestesia, fatal para 20% dos pacientes e com sequela por anóxia cerebral nos outros 80%, apesar de ser ela considerada uma anestesia segura. Desde o primeiro estudo dirigido por Caplan em 1988, nada mudou mesmo com a evolução da Medicina e da anestesia nesse período.

Mas não se preocupem. Estamos na terra em evolução. O progresso na medicina é rápido, principalmente a partir desse último século. Vejam por exemplo a AIDS, que explodiu em 1986 matando inúmeras pessoas. Hoje, embora não tenha sido encontrada a cura ou a vacina, é considerada crônica, pois os medicamentos antivirais desenvolvidos estão sendo suficientes para seu controle.

MORTE

Ainda assim, com todo o avanço do conhecimento humano em todos os campos, não só na Medicina, a morte, essa senhora sinistra, ainda insiste em ceifar vidas.

Mesmo os espíritas que sabem ser este um mundo transitório em que o corpo físico é apenas um instrumento de evolução do Espírito, se ressentem quando ela tira a vida de alguém que lhe é querido.

A dor da saudade é quase sempre maior que o sentimento de compreensão.

Essa senhora algumasvezes age sozinha, naqueles que estão envelhecidos, fracos, que basta um sopro para que se rompa o cordão que liga o corpo ao espírito.

AGENTES DA MORTE

TERRA - EXPIAÇÕES E PROVAS

PLANO REENCARNATÓRIO

Por vezes se utiliza de instrumentos outros, como uma queda causada por uma casca de banana jogada ao chão pelos sugismundos do planeta, com trauma irreversível (fratura de crânio ou coluna).

O agente 000 da fatalidade pode ser, ainda, a criança assaltante, que perde o controle e aperta o gatilho, o engenheiro que erra no cálculo da construção que desaba sobre seu morador, o médico que erra sem intenção, o piloto que joga o avião ao chão, matando centenas de passageiros.

Todos sem exceção são agentes da morte e claro, responderão igualmente pelos erros que cometeram, na proporção do seu erro e do conhecimento que tinham para que fosse evitado o erro.

Deve ser lembrado que a terra é um mundo de expiações e provas e a cada reencarnação o espírito vem para resgatar seus débitos contraídos em reencarnações passadas. Nesse caso, o agente e a vítima se comprometeram ou foram impelidos, no seu plano reencarnatório, a suportar o acontecimento desfavorável no plano material.

MÉDICO NÃO É DEUS

Entendo assim também. É MUITO DIFÍCIL ADMITIR QUE O MÉDICO NÃO É DEUS, visão que não é só do profissional, mas das pessoas que esperam dele atos divinos.

ERRO MÉDICO NA VISÃO ESPIRITA

RESGATE

ANTÍDOTO CONTRA A VAIDADE

PROGRESSO (FÉ – ORAÇÃO)

Há o entendimento de que o resgate mais importante é o do médico que comete o erro, ou melhor, age como agente da sequela ou do desencarne do espírito.

O médico que erra tem que ter envergadura espiritual para admitir o seu erro e para suportar o sofrimento da perda do seu paciente, porque ele também sofre, pois é atingido no amor próprio.

Nesse sentido o resgate para ele será um antídoto contra a vaidade, a compressão do seu limite da missão que Deus lhe confiou e permitiu.

Esse é o caminho do progresso do espírito, juntamente com a fé calcada na certeza que Deus tudo faz de melhor para seus filhos e na oração que é o bálsamo que enxuga as lágrimas dos corações daqueles que foram vítimas diretas ou indiretas da ação do médico como instrumento da obra divina.

RESGATE INDIVIDUAL (NOSSOS FILHOS SÃO ESPÍRITOS – HERMINIO MIRANDA)

Quero reportar a um caso individual extraído da obra “Nossos filhos são Espíritos”, de Herminio Miranda.

Trata-se de uma criança que aparentemente nasceu normal e logo após o nascimento deu sinais de que teria apenas uma vida vegetativa e viveu aprisionado no corpo por 12 anos, sendo forte a suspeita de que haveria ocorrido erro do médico durante a condução do parto, causando anóxia cerebral (falta de oxigenação cerebral).

Esclarecimentos trazidos por Espíritos evoluídos, antes do desencarne da criança mostraram que pai, mãe e filho viveram um triângulo amoroso na encarnação anterior.

O filho era noivo daquela que hoje era sua mãe e que pouco antes do casamento conhece e se apaixona por aquele que é seu pai, desistindo dele, o noivo.

Num ato de desespero, o noivo, agora filho, se atira de um penhasco e morre, danificando de maneira grave seu cérebro físico.

O trio marcou novo encontro nessa existência para resgatar os erros passados, sendo o casal mantido como ficara ao final e o filho trazido com a deficiência para que todos aprendessem e evoluíssem conjuntamente.

O tempo em que viveu preso aquele corpo inerte foi cumprido pelo espírito do suicida com resignação, no tempo necessário e por ser essa a maneira que teria para recuperar o cérebro físico danificado, bem como as inevitáveis repercussões sofridas no sistema perispiritual, decorrentes do trauma advindo do suicídio.

Ora, não era preciso matar-se porque perdeu a noiva.

Nesse caso, os Espíritos superiores que trouxeram a primeira mensagem entabularam com a criança, cujo espírito fora do corpo era perfeitamente normal e lúcido, uma entrevista em que ele falou que não havia acontecido erro do médico que o atendera.

O grau da destruição do seu tecido cerebral atingiu também seu perispírito e ele não teria como ele nascer normal. A pretensa desculpa da demora do nascimento era necessária para que fosse justificável sua doença no mundo físico.

TRANSIÇÃO PLANETÁRIA (DIVALDO FRANCO)

Registre-se o momento de transição que está ocorrendo em nosso planeta, que passará de mundo de provas e expiações para mundo de regeneração, o que deve acontecer em breve e que explicam os grandes expurgos espirituais através dos tsunamis, terremotos, cataclismas, acidentes aéreos, suicídios coletivos, etc.

Divaldo Franco, por orientação do Espírito Manoel Philomeno Miranda, explica que esses expurgos ocorrem em grupos de Espíritos ainda muito comprometidos, que invadiram cidades, dominaram populações, mataram pessoas e não terão tempo nessa encarnação para evoluírem, por isso estão sendo resgatados para serem enviados a outros mundos e assim continuar suas expiações, quando a terra adquirir seu novo status espiritual.

FORA DAS CONSIDERAÇÕES

EXPERIÊNCIAS COM HUMANOS QUE OFENDEM A MORAL

PARTICIPAÇÃO DO MÉDICO EM ATOS DE TORTURA

AUXILIAR OU PRATICAR O ABORTO

EUTANÁSIA

INDUÇÃO AO SUICÍDIO

Por óbvio, situações como experiências médicas com seres humanos, que ofendem os princípios éticos, morais e divinos (Mengele) assim como a participação do médico em atos de tortura (que ocorrem até os dias de hoje), o auxílio e ou prática do aborto, bem com a indução ao suicídio e a eutanásia, não se enquadram no tema apresentado, pois ocorrem por dolo, a partir do exercício negativo do livre arbítrio do espírito encarnado.

Como dito, ao médico é dado uma missão e uma autorização para a prática da Medicina e ele deve agir dentro dos princípios que lhe foram confiados, claro que, em errando pelos motivos já colocados, responderá pelos seus erros, no mundo material e também no mundo espiritual.

Agora, se usa seu livre arbítrio, para exercer sua profissão com os desvios de conduta que ofendem os mais simples princípios divinos, comete crime, contra as leis humanas e divinas, e por serem atos voluntários (dolo), cujo teor e consequências conhece Responde de forma severa, principalmente como Espírito, por deixar de cumprir aquilo que se propôs no planejamento reencarnatório.

REFLEXÕES

Ao médico é confiada uma missão Divina de aliviar o sofrimento humano e para isso ele tem que empregar todo o conhecimento que lhe é dado para o bem do ser humano.

Nesse sentido tem que tratar conjuntamente o corpo e o Espírito. Muitos continuam nessa missão mesmo depois de desencarnados, como é o caso do Dr. Adolfo Bezerra de Menezes.

O MÉDICO ESPIRITUAL

UM MÉDICO NÃO TEM O DIREITO DE TERMINAR UMA REFEIÇÃO, NEM DE ESCOLHER HORA, NEM DE PERGUNTAR SE É LONGE OU PERTO, QUANDO UM AFLITO LHE BATE À PORTA.

O QUE NÃO ACODE POR ESTAR COM VISITAS, POR TER TRABALHADO MUITO E ACHAR-SE FATIGADO, OU POR SER ALTA NOITE, MAU O CAMINHO OU O TEMPO, FICAR LONGE OU NO MORRO; O QUE SOBRETUDO PEDE UM CARRO A QUEM NÃO TEM COM QUE PAGAR A RECEITA, OU DIZ A QUEM LHE CHORA À PORTA QUE PROCURE OUTRO.

ESSE NÃO É MÉDICO, É NEGOCIANTE DA MEDICINA, QUE TRABALHA PARA RECOLHER CAPITAL E JUROS DOS GASTOS DA FORMATURA.

ESSE É UM DESGRAÇADO, QUE MANDA PARA OUTRO O ANJO DA CARIDADE QUE LHE VEIO FAZER UMA VISITA E LHE TRAZIA A ÚNICA ESPÓRTULA (esmola) QUE PODIA SACIAR A SEDE DE RIQUEZA DO SEU ESPÍRITO, A ÚNICA QUE JAMAIS SE PERDERÁ NOS VAIS-E-VENS DA VIDA.

DR. ADOLFO BEZERRA DE MENEZES (GAMA, 1883).

A questão a ser refletida por todos é se o médico que trata do corpo e do espírito tem mais sucesso no tratamento de seus pacientes

E aqui me atenho a outro médico, o oncologista Paulo César Fructuoso, espírita, há mais de 40 anos trabalhando no Centro de cura Frei Luiz, no Rio de Janeiro, extraída da obra do autor “Reflexões Espiritualistas e Científicas de um médico Espírita”.

“BEM-AVENTURADOS OS SIMPLES DE CORAÇÃO E OS QUE NÃO VIRAM E CRERAM”

FÉ - ELEMENTO ESSENCIAL DA CURA

Ele nos conta que sabedor de todas as verdades pregadas por Cristo uma das mais importante é a Fé incondicional: “Bem-aventurados os simples de coração e os que não viram e creram”, devendo sempre a crença ser colocada antes da ciência, porque é através da fé que Deus nos ajuda a aprimorar nossa conduta.

Por isso adotou como conduta sempre elevar alguma oração ao alto antes de qualquer ato cirúrgico, esperando pela lógica que ele seja bem-sucedido, mas que nem sempre isso acontece.

Diz que 20 anos atrás, quando ainda não orava antes das cirurgias, operou uma paciente de câncer do intestino, com um resultado excelente. Essa mesma paciente voltou recentemente com câncer gástrico e foi operada com a boa técnica que domina, com mais experiência, sem nenhuma dificuldade, acompanhada da oração inicial.

Ao invés de se recuperar rapidamente a paciente teve que ser operada mais três vezes por estranhas complicações que não deveriam ocorrer e ele não sabia como explicar, sobrevindo destas, sua morte.

Ficou transtornado e abalado após a morte da paciente, mas a resposta do ocorrido veio às usas mãos pela leitura aleatória de um capítulo intitulado “CADA QUAL” do Livro Fonte Viva de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, cujas linhas principais são:

FONTE VIVA - “EMMANUEL”

“O SÃO COMUMENTE PODE PROJETAR A CARIDADE EM TODAS AS DIREÇÕES. O DOENTE, COM MAIS SEGURANÇA, PODE PLASMAR AS LIÇÕES DA PACIÊNCIA NO ÂNIMO GERAL ...”

“REPARA A POSIÇÃO EM QUE TE SITUAS E ATENDE AOS IMPERATIVOS DO INFINITO BEM. COLOCA A VONTADE DIVINA ACIMA DE TEUS DESEJOS E AVONTADE DIVINA TE APROVEITARÁ”.

REFLEXÕES ESPIRUTALISTAS E CIENTÍFICAS DE UM MÉDICO ESPÍRITA

“PAULO CESAR FRUCTUOSO”

“É EVIDENTE QUE A VONTADE DE QUALQUER MÉDICO É QUE SEUS PACIENTES CONTINUEM VIVENDO E QUE SEUS ESFORÇOS PARA MANTÊ-LOS VIVOS SEJAM BEM-SUCEDIDOS”.

“SERÁ QUE NOSSOS DESEJOS EM RELAÇÃO AOS NOSSOS DOENTES SEMPRE COINCIDRÃO COM A VONTADE DIVINA EM RELAÇÃO A ELES”?

“É EVIDENTE QUE NÃO, SENÃO NUNCA ENFRENTARIAMOS INSUCESSOS”.

CONCLUSÃO

QUANDO NÃO HÁ INTENÇÃO, NA VISÃO DO ESPIRITISMO, O MÉDICO NÃO ERRA.

É O INSTRUMENTO DE DEUS PARA O RESGATE DOS ERROS OCORRIDOS NAS VIDAS PASSADAS, DELE E DA VÍTIMA, BEM COMO UM TESTE PARA O PROFISSIONAL QUE DEVERÁ SUPORTAR O ERRO A FIM DE DEIXAR DE LADO A VAIDADE E ORGULHO QUE CERCAM A PROFISSÃO

10/12/2015

Destaques Batuíra